0

A Shantala e um bebê

Geralmente faço pequenas postagens nas redes sobre os cursos de Shantala particulares, mas hoje será diferente. Faço por mim para desenrolar os sentimentos do atendimento de hoje, pelos pais, por você que passa por aqui e lê.

Pela manhã atendi um casal super especial no consultório com o bebê e até o padrinho estava presente, garoto de sorte esse menininho! rs

Nos encontramos após algumas conversas no telefone. Logo na primeira ligação a mãe falou um termo que grudou na minha cabeça: meu bebê é difícil, ele chora o tempo todo! E no final da consulta confesso que também pensei isso, porém tem uma história no meio disso tudo que muda totalmente a forma como enxergamos o termo ser usado no final.

O menino é lindo e tem um olhar curioso, daquele de quem quer olhar o mundo e aprender somente através dele! Apesar dos seus poucos 5 meses de vida já passou por poucas e boas. Parto demorado via fórceps, intubação, muitos procedimentos, internação prolongada e um atraso motor. Sei que ele precisava passar pelos procedimentos e com garra defendeu a vida, mas a sua pele sensível sofreu com isso e nela ficou uma marca.
Hoje a sua pele carrega uma história e memória de dor por tudo o que passou. Quando sofremos qualquer situação na vida a nossa pele guarda uma memória que pode ser boa ou ruim. No caso de um bebê que passa pela UTI os pais sabem bem como a sua pele ressoa. Mas acredito que essa memória pode ser “apagada”. Com muita tranquilidade e uma dose extra de paciencia. A tarefa não é fácil, mas a conquista do sorriso valerá a pena!

Outro dia conheci uma mãe, a Camila que colocou na frase inicial do seu blog um resumo do que é ser mãe de uma criança com atraso: “Minha filha pode dar trabalho, mas as melhores coisas na vida são conquistadas com muito esforço!”

Nesse barco de dar nova cara a memória o bebê não está sozinho, os pais também estão nele. Afinal quando sonhamos idealizamos tudo completo, um parto tranquilo, o bebê nascendo e fotos e mais fotos desse momento. Porém nem sempre é assim, e nos muitos anos de trabalho como fisio em crianças com atraso, percebo que a aceitação é primeiro passo. Não acho simples, os processos internos precisam ser vivenciados, mas só os pais o ajudarão a superar essas dificuldades iniciais.
Confesso que teve momentos da consulta na qual escutava os pais que me emocionava demais e me segurei para não chorar junto com eles! Ai meu Deus, eles lerão isso! rs…Não posso mentir, me envolvi com a família  e com a vida desse pequeno que pode ser mudada com o toque suave da Shantala.

Acredito na massagem como uma forma de dessensibilizar os pais e o pequeno, gravar uma nova memória na pele e coração. O conhecimento e novo olhar do corpo bebê ajudarão até mesmo na estimulação em casa, perceber suas novas conquitas e dar uma nova memória de prazer a sua pele e também ter um momento de prazer com o filho. Em geral, os bebês que viveram em UTI gostam de ficar peladinhos, já que na incubadora eles ficam sem roupa, já é o primeiro passo da Shantala! Além disso a dica foi para que eles conversassem com o pequeno e avisar tudo o que está fazendo é essencial, nada de movimentos bruscos e a Shantala com sua leveza há de ajudar!

No final da consulta levantamos várias hipóteses para o choro constante do pequeno e aquelas palavrinhas voltaram a minha mente (bebê difícil), mas estamos juntos nessa para decifrar “esse leão”!
“Bora lá” enfrentar essa caminhada, aceitando o que já foi, acolhendo os sentimentos do hoje e transformá-los em amor.

E você mamãe que leu esse post e se identificou em alguns momentos, que tal decifrarmos juntas seu bebê para que você possa curtir a maternidade de uma forma mais gostosa? Mande um e-mail, entre em contato!


contato@cursoshantala.com.br

Denise Gurgel

Denise Gurgel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.